Máscaras e papéis – prisões? proteção? necessidade?

por | 29 março 2016 | 8 Comentários

Enfermeira obstétrica e Psicóloga. Madura, vivendo o feminino pleno, o tempo do carvalho. Com netos que provocam o impulso de amadurecimento e atualização continua. Amo os livros. Amo as cores. Amo as artes. Adoro viajar. Aprender e ensinar é minha paixão. Sou profundamente inspirada no universo das boas conversas.

 arrancar mascaras abandonar papéis1-jan 16Arrancar máscaras! Abandonar papéis! de John Powel e Loretta Brady, ed Loyola. 

Este livro me chegou às mãos em 1990. Mais um dos antiguinhos, vais pensar, destes que não mais encontro nas livrarias,…rs. Como ele foi importante pra que eu compreendesse o estado de aprisionamento que a maioria das máscaras que usava na interação social me trazia! O que aprendi lendo-o, estudando e compartilhando ainda me parece atual e significativo. O título também parece instigante pra ti? O conteúdo será.

Comunicação interpessoal, em 25 passos.

É assim que o conteúdo é apresentado por John e Loretta que reuniram nele seus pensamentos e experiências em aconselhamento e em sala de aula. Li de sopetão e depois fiquei um bom tempo lendo e relendo o que os dois compartilham nas poucas 175 páginas. E também trabalhei fragmentos do que estava ali nos muitos grupos com os quais interagi.

Nada desconhecido à época e nada conhecido inteiramente ainda hoje. Sempre novas lições com os “velhos” textos na jornada de me tornar cada dia mais REAL, só deixando cair conscientemente as máscaras e entendendo que “papéis não me definem”.

O que é REAL? Te deixo com a possibilidade de descobrir por ti mesmo(a) as verdades e belezas de uma interação em comunicação plena, num processo e progresso bem pessoal. Marcado com tua ginga. Encerro a apresentação deste livro reproduzindo a história que está no começo dele em resposta à pergunta acima:

“O que é real”, perguntou o Coelho um dia, quando estavam deitados lado a lado, perto do grande quarto das crianças, antes de Naná vir arrumar o quarto. “Significa ter coisas que murmuram dentro de você e uma alça do lado de fora?”arrancar máscaras abandonar papéis-jan 2016

“Real não é a forma como você é feito”, respondeu o Cavalo de Pele. “É uma coisa que acontece com você. Quando uma criança gosta de você por muito, muito tempo, não somente para brincar, mas gosta REALMENTE de você, aí você se torna Real”…

” Não acontece de repente”, continuou o Cavalo de Pele. “Você se transforma. Leva bastante tempo. É por isso que nem sempre acontece pra quem se quebra com facilidade ou tem bordas ásperas ou precisa ser guardado com cuidado. Geralmente, até você se tornar Real, a maior parte do seu pelo já caiu de tanto carinho, você já perdeu os olhos, está com as juntas moles e bastante gasto. Mas essas coisas não tem a mínima importância, porque quando você é Real, não pode ser feio, a não ser para quem não entende”. The Velveteen Rabbit, por Margery Williams

Ao encontro do REAL em nós me despeço te convidando a que te manifestes no BLOG. Agradeço.

#lorenacarvalho #livrosquetocamaalmavovozen/Vida

Fotos: Ana Lúcia Fernandez