Natal mestre

por | 25 dezembro 2015 | 6 Comentários

Enfermeira obstétrica e Psicóloga. Madura, vivendo o feminino pleno, o tempo do carvalho. Com netos que provocam o impulso de amadurecimento e atualização continua. Amo os livros. Amo as cores. Amo as artes. Adoro viajar. Aprender e ensinar é minha paixão. Sou profundamente inspirada no universo das boas conversas.

imagem blog folha e sol

Hoje, 25 de dezembro de 2015 é Natal. Coletivamente andamos gestando e damos à LUZ o AMOR na forma de um “menino”. Digo pra mim há muito tempo que dia de natal é todo dia. E procuro viver seus valores diariamente. Pois… vivi Natal em 22 de dezembro p.p. e vou lhes contar porque. Estava em contato com uma mestra com cujo coração caminho na construção de um mundo de paz desde 2006, Dulce Magalhães. E com um grupo de buscadores de uma Pós graduação em Psicologia Transpessoal, o grupo Chamado.

Ela? Uma avó, mãe, filha, irmã, mulher inteira, sonhadora visionária a quem saúdo no sem tempo! Sacerdotisa impecável que navega entre mundos e tecelã habilidosa inter reinos. Com sua maestria, por conta da plenitude do exercício do seu dom e em sendo instrumento do plano maior, “implantou” um chip mandálico, na forma da árvore da vida, no coração de cada um do grupo. Na base do chip há verdadeiro conhecimento, sabedoria, amor e paz. Milenares. Som que reverbera ad infinitum e se integra à música das esferas.

Sei disso desde 2006 quando a vida providenciou nosso encontro e parceria por ocasião do a-ben-çoado I Festival Mundial da paz.

O “chip” em mim reverbera e reverberou mais poderosamente no domingo quando da oportunidade que a mestra me deu de falar ao grupo sobre os eventos deste ano de 2015 que caracterizam uma implosiva crise de transformação pessoal. Fiz o relato no domingo,22/12, ainda em “clima de guerra” e na segunda feira cedo, após orações e no silêncio, entendi o propósito de todos os acontecimentos. E o propósito maior que se tornou consciente está profundamente ligado a este Blog.  Em sonho no ano de 2014, soube que ele se chamaria VOVOZEN em gemelaridade com um outro blog que ainda não foi lançado. A correlação é simples. Um nome não é só um nome. Ele é energia…vibração…que quer se manifestar na inteireza. Se a inteireza e plenitude ainda não existem…se a vovó ainda é mais ou menos, rs, ZEN…a vida cuida de desmontar a estrutura aprendida e mantida que não leva à realização. Ao mesmo tempo sinaliza todo o caminho e dá as condições pra reconstrução. Tomo consciência. É real a cada passo. Reconheço ter tido um insight incrível sobre a relevância das “escolhas” que fazemos, a escolha que fiz, que nominamos/nominei.  E a certeza de que a vida nos manda pessoas e acontecimentos pra vivermos pela raiz aquela “escolha”. Coloco entre aspas a palavra escolha porque disse quando comecei a contar que sonhei com o nome…de onde veio o sopro? Do plano de Deus? Da grande vida? Da minha alma? Pouco importa…entendi que com minha aceitação me cabe encarná-lo!

E eles? porque este re-nascimento, natalino,  só poderia acontecer com eles, os alunos  do grupo Chamado? Dentre muitas possíveis razões porque no último seminário que facilitei na formação que fazem, “adivinha” o nome do seminário?…rs- Crises de transformação– comentamos, a partir do entendimento ampliado de alguns sonhos, sobre o poder dos nomes pessoais. Dos mantras que são. Lembro das histórias compartilhadas por Neri, Eneida, e por mim sobre o Heitor e que tem manifestação concreta nas personalidades de cada um.

Então, na espiral da compreensão necessária acolho-os, o time todo, como manjedoura e nasço pro novo momento de compreensão dos fatos. Uma pessoa teve participação decisiva no nascimento do Blog, o blogueiro Luiz Fernando Pereira  e, entendo agora, mais do que nunca, sua perfeita IN TER ação neste projeto-arte. Gratidão.

Volto rapidamente ao “chip” humano experienciado por todos ao modo de um “equipamento”. Na forma da árvore da vida da cabala judaica. É tudo tão extraordinário e suave, “dulce”, que parece com tomar água. Quem está atento e em si percebe. E, no totem que é, coloca intencionalmente sinal. Sem fogos de artifício, sem “ranger de dentes”, sem grandes celebrações porque simples, como o nascer de uma semente bem semeada. Geometria sagrada em nós. O equipamento que somos cuidará de nos apresentar o necessário quando “for a hora”, por nos abrirmos pra tal. E o necessário ajuste de rota é feito.

Nesta etapa do caminho posso integrar todos os acontecimentos e interações como puderam acontecer e viver aceitação, PAZ….Natal é o tempo de “paz na terra aos homens de boa vontade”. Nada por acaso. Inclino minha cabeça e agradeço. Reverencio e honro.

coração e sol    Gratidão profunda a mestres, amigos e a encontros que promovem mudança e aprendizado…! Feliz Natal!!!

A mandala da vida tem muitas camadas (inclusive a familiar que catalizou os mais incríveis processos como por exemplo o de viver um casamento longevo e o de ser mãe e avó) e a todas elas reverencio.

Encerro conforme o protocolo do círculo: eu me chamo Lorena e assim falei. Hei!